24 de outubro de 2010

O CUIDADO DE DEUS QUANDO NOS AFASTAMOS DELE

 


Agora, por que tamanho grito? Não há rei em ti? Pereceu o teu conselheiro? Apoderou-se de ti a dor como da que está para dar à luz? Sofre dores e esforça-te, ó filha de Sião, como a que está para dar à luz, porque, agora, sairás da cidade, e habitarás no campo, e virás até à Babilônia; ali, porém, serás libertada; ali, te remirá o SENHOR das mãos dos teus inimigos. Acham-se, agora, congregadas muitas nações contra ti, que dizem: Seja profanada, e vejam os nossos olhos o seu desejo sobre Sião. Mas não sabem os pensamentos do SENHOR, nem lhe entendem o plano que as ajuntou como feixes na eira. Levanta-te e debulha, ó filha de Sião, porque farei de ferro o teu chifre e de bronze, as tuas unhas; e esmiuçarás a muitos povos, e o seu ganho será dedicado ao SENHOR, e os seus bens, ao Senhor de toda a terra.”(Miquéias 4.9-13)Todos nós precisamos de cuidados e desde a mais tenra idade precisamos ser assistidos por alguém.
Ainda bebê, precisamos dos cuidados e da atenção materna, do alimento que ela nos dá na hora certa ou trocar nossas fraldas e principalmente limpar toda aquela sujeirinha que deixamos.
Ao chegarmos à adolescência fala-nos muito alto a figura paterna, aconselhando-nos para uma vida digna, procurando evitar ao máximo que caiamos nas armadilhas e artimanhas do mundo que sempre nos mostra um lado cor-de-rosa da vida: os prazeres, as alegrias passageiras, a felicidade de compartilhar a companhia de um amigo, amiga, namorado, namorada. Infelizmente é nesta época que também temos os primeiros contatos com o lado negro da vida, os antros de perdição, os bailes, as farras, as bebedices e quando menos esperamos estamos tão envolvidos nessas coisas que elas já fazem parte do nosso dia-a-dia, é como o nosso respirar, o nosso comer.
Será que essas coisas acontecem também no seio das igrejas?
Será que os nossos jovens não têm conhecimento dos males causados por esta sociedade mundana que está pouco a pouco destruindo famílias e não está nem um pouco preocupada com os que se perdem, morrem, se prostituem, se drogam, que caminham rapidamente para o Inferno?
Infelizmente muitos de nossos jovens estão caindo nesta armadilha do inimigo, neste laço que Satanás armou para destruir as igrejas.
Deus deseja que isso aconteça?
Claro que não! Mas permite que assim seja até mesmo para que possa manifestar o Seu infinito amor por nós e por respeitar nosso livre-arbítrio.
À época em que esta profecia foi dada, pelo Espírito Santo a Miquéias, Israel estava debaixo de grande opressão e a exploração dos menos favorecidos pelos ricos era imensa. O povo humilde do campo clamava por justiça e Miquéias levantado por Deus pregava a justiça social e para consolar o povo Ele fala através de seu servo e consola-os.
Deus fala do cativeiro a que o povo estaria sujeito em Babilônia, mostra-lhes ao mesmo tempo a libertação e a recompensa para aqueles que perseverassem e confiassem somente nEle.
Naquele tempo o que afastava o povo da proteção de Deus era a rebeldia, que segundo a palavra de Deus é considerada por Ele “como pecado de feitiçaria e a obstinação é como a idolatria e culto aos ídolos do lar” (I Samuel 15.23).E hoje quais seriam os motivos que nos tem afastado da proteção divina?
Entendamos bem: não é Deus quem se afasta dos que lhe pertencem, somos nós que nos afastamos de dEle.
Muitas atitudes e decisões erradas que tomamos podem nos afastar de Deus, mas podemos destacar algumas que estão muito presentes no seio do povo que se diz “de Deus” nos dias atuais
a) Soberba

Não são poucas as pessoas que depois de um tempo caminhando com Jesus começam a entender que são auto-suficientes em todas as coisas e se esquecem de que sem a presença divina em suas vidas de nada adiantará “conquistar”, como eles mesmos dizem, as coisas desse mundo que aos seus olhos são mais importantes que as coisas espirituais.É como diz o ditado popular: “O pasto do vizinho é sempre mais verde, até estarmos nele e verificarmos que na verdade é pior que o nosso”Aquela modéstia inicial dá lugar a uma arrogância sem medidas. Quantos crentes hoje em dia entendem que somente os bem-sucedidos financeiramente são abençoados por Deus e os que se encontram em dificuldades estão em pecado?
Não é de estranhar que esse pensamento faça parte do dia a dia de muitos que se dizem “cristãos nascidos de novo” quando uma grande parte das instituições tidas como “igrejas evangélicas” pregam muito mais o poder e a necessidade das riquezas do que a existência e as conseqüências do pecado, a necessidade do arrependimento, da cruz suportada pelo Senhor Jesus para nos dar a salvação e a humildade ensinada pelo Senhor Jesus a todos que desejassem segui-lo, quando Ele mesmo disse que não tinha vindo a esse mundo para ser servido mas para servir (Mateus 20.28) e de que o Filho do Homem não tinha onde reclinar a cabeça (Mateus 8.20), numa demonstração clara de que o que realmente vale a pena é buscar em primeiro lugar o reino de Deus e sua justiça porque em assim agindo temos a certeza de que todas as demais coisas nos serão acrescentadas (Mateus 6.33).
b) Desconhecimento do caminho
Quando os hebreus estavam para entrar na terra prometida, Josué aconselhou o povo dizendo: “Quando virdes a arca da Aliança do SENHOR, vosso Deus, e que os levitas sacerdotes a levam, partireis vós também do vosso lugar e a seguireis. Contudo, haja a distância de cerca de dois mil côvados entre vós e ela. Não vos chegueis a ela, para que conheçais o caminho pelo qual haveis de ir, visto que, por tal caminho, nunca passastes antes.”(Josué 3.3-4)Gostamos de novidades! O cotidiano nos enfadonha e por isso temos quase que uma necessidade vital de procurar caminhos que possam facilitar nosso relacionamento com Deus e nos garantir uma forma mais “light” de adorá-Lo e segui-Lo. Bem falou o Senhor Jesus a nosso respeito quando se dirigindo aos seus discípulos disse: “Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei convosco? Até quando vos sofrerei?” (Mateus 17.17)Não poucas vezes andamos por caminhos desconhecidos, lugares pelos quais nunca passamos e entendemos que eles podem nos conduzir à presença de Deus, mas ao invés disso eles acabam nos afastando dEle.
Muitas vezes somos levados por alguém que apenas quer nos ajudar, mas por não conhecer a Palavra de Deus e o caminho que nos leva a Ele, acaba nos influenciando a seguir por um caminho contrário e nessa trajetória nos perdemos e passamos a pensar que não existe mais retorno e é por essa razão que muitos que se desviam dos caminhos do Senhor sentem tanta relutância em voltar.
Ao invés de buscarmos consolo na Palavra de Deus, procuramos nas doutrinas mais malucas que nos são apresentadas como sendo um dos caminhos para nos aproximarmos de Deus, quando na verdade só existe um caminho que nos conduz a Ele: Jesus Cristo.
c) IndependênciaO povo hebreu estava cansado de ser guiado por Deus e ser orientado pelos profetas que Este colocava diante deles e decide que o melhor seria ter um rei humano como as outras nações. Eles já se achavam donos da situação e não precisavam mais de Deus.
“Porém esta palavra não agradou a Samuel, quando disseram: Dá-nos um rei, para que nos governe. Então, Samuel orou ao SENHOR. Disse o SENHOR a Samuel: Atende à voz do povo em tudo quanto te diz, pois não te rejeitou a ti, mas a mim, para eu não reinar sobre ele.” (I Sm 8.6,7)
À semelhança deles, nós também confiamos em nós mesmos e negando qualquer dependência de Deus entendemos que podemos resolver todos os nossos problemas pelos meios que nós mesmos desenvolvemos, mas Provérbios 16.25 diz que: “há caminho que parece direito ao homem, mas afinal são caminhos de morte”

Quais as conseqüências quando nos afastamos de Deus?

a) Sofrimento


“Agora, por que tamanho grito? Não há rei em ti? Pereceu o teu conselheiro? Apoderou-se de ti a dor como da que está para dar à luz?"Com certeza o sofrimento é uma das conseqüências de nosso afastamento da presença de Deus, porque estamos totalmente vulneráveis às armadilhas do inimigo e com o passar do tempo nossas forças vão se esvaindo até não haver mais nenhuma chama de esperança em nossos corações. Entendemos que estamos sofrendo porque merecemos, quando na verdade Deus quer que regressemos ao seu aprisco para sermos cuidados por Ele.
b) Andamos por caminhos de morteRomanos 6.23 diz que o Salário do pecado é a morte, e podemos verificar isso a todo o momento.
A Palavra de Deus nos ensina que um abismo chama outro abismo (Salmo 42.7) e por acharmos que Deus não nos quer mais acabamos nos afundando ainda mais na lama do pecado.
O diabo, inimigo de nossas almas sempre coloca duas situações para impedir que nos aproximemos de Deus: aos que se sentem auto-suficientes ele os faz entender que são tão bons e perfeitos que não necessitam de Deus e aos pecadores mais empedernidos ele coloca em suas mentes que são tão ruins e maus que Deus não os quer.
Se esse for o seu caso, creia que o Senhor estará sempre de braços abertos para recebê-lo, esteja você no estado que estiver para transformá-lo num ser humano digno de respeito e da admiração de todos que o cercam.

Remédio para nos reencontramos com Deus.
Há pelo menos três ingredientes básicos:
a) Humildade

Jeremias 31.3 diz: “De longe se me deixou ver o SENHOR, dizendo: Com amor eterno eu te amei; por isso, com benignidade te atraí.”Precisamos ter humildade para reconhecer que estamos incorrendo em erro e que o amor de Deus aguarda sempre que nos reaproximemos dEle.
O Senhor estará sempre com os braços abertos como o pai do filho pródigo, que se alegrou com o retorno do filho e nem se preocupou com os bens que este gastou com as meretizes (Lucas 15.24), pois sabia que ele estava envolto em pecado e em conseqüência morto espiritualmente.
b) Fé
Hebreus 11.1 diz: “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem.”Creia que se você desejar sinceramente retornar para os caminhos do Senhor Ele o receberá e ainda o ajudará a mudar a sua vida, e a primeira coisa que Ele irá fazer é esquecer-se de todos os seus erros, porque Deus mesmo sendo onisciente, tem conhecimento de todas as coisas, Ele tem essa “estranha” capacidade de esquecer, apagar, os pecados daqueles que O buscam com sinceridade. (Hebreus 8.12)
c) Trabalho

Amanhã será um novo dia. Entregue-se novamente a Deus, creia que Ele o perdoou e retome a sua vida e caminhada com Ele e você verá que grandes coisas o Senhor fará por você e o usará com poder na Sua Obra.
Disponha-se nas mãos de Deus e não cesse de trabalhar em prol do Reino, buscando alcançar vidas, testemunhando do Seu infinito amor e da necessidade que cada um de nós tem de viver na presença desse Deus maravilhoso que tem um cuidado estremado para conosco e nunca nos abandona, mesmo que aos nossos olhos pareça que ele está distante.
Sei que não é fácil o retorno, se assim o fosse não haveriam irmãos “desviados” do caminho, mas ele é possível, basta que aquele que se encontra nessa situação dê o primeiro passo e lembre-se:
DEUS ESPERA POR VOCÊ porque o ama;
DEUS PRECISA DE VOCÊ porque ama seus irmãos que ainda não O conhecem;
DEUS CONFIA EM VOCÊ para anunciar a Palavra da Salvação; e
DEUS AGUARDA POR VOCÊ para que possam viver em comunhão por toda a eternidade.

Que o Senhor nos dê sempre um coração dócil para reconhecermos nossos erros e confiarmos que Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça (I João 1.9).
 
Fonte: Antonio Carlos, aprendiz de servo.

Postado por: (Paulo César)

0 Comentario:

Postar um comentário

Deiche aqui suas mensagens